9.8.08

Sobre Amor

Como você faz para amar um país ou um povo? País ou povo parece algo tão grande e nebuloso que a gente tende a pensar que, em termos práticos, amar algo assim não é possível. Antes de mais nada, esclareço que por “amar” entendo aqui aquele sentimento positivo que, num primeiro momento, nos leva a querer que o objeto no nosso amor – nesse caso um país ou um povo – seja ou esteja satisfeito com a vida, e daí partimos para a ação: decidimos fazer algo que permita nosso objeto de amor alcançar esse estado de graça. Então, como você faz para amar um país ou um povo?
Não sei quanto a vocês, mas eu não consigo amar quem não conheço. Mas também posso começar a amar no exato momento em que me apercebo que isso ou aquilo existe e passa, então, a fazer parte da minha vida. Ou ainda: não preciso saber exatamente sua posição geográfica ou particularidades da expressão linguística, mas posso começar a amar um país ou um povo assim que faço alguma conexão com aquilo que eu já sabia que existia – um país ou um povo – e como isso se encaixa nos planos de Deus para a minha vida – seja intercedendo por esse país ou povo, contribuindo financeiramente com projetos desenvolvidos nesse país ou entre esse povo, ou me dispondo a viver nesse país, entre esse povo.
Passei a amar a África do Sul em julho de 2007, quando a agência presbiteriana propôs à minha igreja local que desenvolvêssemos aqui um projeto por 2 anos. O que eu sabia do país eram informações difusas sobre anos obscuros de Apartheid, um sistema de governo segregacionista onde a minoria branca oprimia e dominava os negros e “coloreds” (qualquer outra raça que não a ariana), e que teve o seu fim apenas na metade dos anos 90 – processo atrelado ao nome de Nelson Mandela. Fiquei sabendo da variedade de povos que formam a nação sul-africana – o país tem 11 línguas oficiais! E então soube do grande número de refugiados – imigrantes fugidos de guerras, perseguições políticas ou situações de extrema miséria – que vieram para a África do Sul em busca de melhores condições de vida, entre os quais desenvolveríamos nosso projeto missionário. Foi informação e motivação suficientes para começar a amar.
Quando olho para trás, vejo que meu amor foi decisão consciente. E embora a vida nem sempre se apresente de maneira fácil ou agradável, esse amor permite que enfrentemos os revezes com fé no futuro e certeza que Alguém maior está no controle. Então, como você faz para amar um país ou um povo? Eu digo: disponha-se a isso – queira ser movido a amar. E mais: exponha-se a isso – procure conhecer mais do objeto do seu amor. E por fim, porém o mais importante: acredite que Deus pode colocar amor no seu coração, amor suficiente para “abraçar” um povo ou um país inteiro! E mãos à obra para colocar esse amor em ação!

PS: ontem lancei a campanha 30 DIAS PARA OS 46! Hoje já faltam apenas 29 dias para a celebração do meu 46º aniversário! (08 de Setembro, não se esqueçam!)

3 comentários:

Rev. Gessé Almeida Rios disse...

Oi Silvia!
Gostei da reflexão.
Fico contente de saber que também está aprendendo a amar essa terra e seu povo. Deus continue te sustentanto nesta caminhada.

eliza disse...

Querida ex-cunhada preferida, bom receber noticias suas, com tanta devoçao ao seu trabalho felicidades. beijos .... em Laura tambem

Aluízio disse...

Oi, Sílvia, que bom, mesmo de tão longe, saber que você está bem junto com a Laura. Setembro também é um mês especial pra mim. No próximo dia 04/09/2008 completo 50 anos de vida e me encontro numa fase muito boa dela. Que deus a abençoe em sua missão de fé e que os frutos esperados superem todas as expectativas. mande notícias sempre. Aproveito para lhe desejar com antecipação um FELIZ ANIVERSÁRIO E MUITAS CONQUISTAS, em todos os sentidos. um abraço fraterno, do amigo de faculdade;
Aluízio Carvalho de Santana
Em tempo: você tem falado com o Fábio, o Olívio e a Marta?

1 Coríntios 2:9

"O que ninguém nunca viu nem ouviu, e o que jamais alguém pensou que podia acontecer, foi isso o que Deus preparou para aqueles que o amam..."

What eye did not see, and ear did not hear, and upon the heart of man came not up, what God did prepare for those loving Him...