26.5.08

Intolerância

Alguns chegaram só com a roupa do corpo, outros conseguiram colocar em sacos e malas uns poucos pertences. Todos têm medo. Foram trazidos pela polícia para ficarem abrigados nas dependências da igreja enquanto continuarem as ameaças e os ataques contra estrangeiros nas favelas de Cape Town. A baderna é promovida por uma massa de descontentes com o desemprego, a extrema pobreza, a desesperança, o excesso de promessas e a falta de medidas concretas do governo em favor dos negros sul-africanos. Eles invadem casas e pequenos negócios tocados por estrangeiros, roubam o que podem e põem fogo no que resta. A polícia não consegue conter o tumulto, então os imigrantes estão sendo trazidos para igrejas e prédios do governo, onde têm certa segurança.
Sábado(24) à tarde recebemos cerca de 45 pessoas, entre elas umas 15 crianças. Todos muito cansados, assustados e tristes – os tumultos começaram no final da tarde de sexta-feira, eles passaram a noite toda sem conseguir dormir. Por quê? Porque alguns nacionais acreditam que os estrangeiros tiram suas oportunidades de moradia e emprego – o que é verdade e torna o problema de difícil solução.
Assim que chegaram, oferecemos café, leite, chá, pão, margarina. Laura levou as crianças para brincarem no gramado, passou horas correndo e jogando entre eles. Fiquei na cozinha esquentando água, lavando a louça, providenciando algumas coisas para o lanche. Fiz até uma grande panela de arroz! Uma família da igreja doou dois grandes potes de sopa, foi a primeira refeição de muitos depois de quase um dia inteiro sem comer nada. Ontem (domingo) alguns adultos e crianças participaram do culto com toda a igreja. Sim, alguns estiveram lá para clamar a Deus por justiça e esperança para dias melhores.
Hoje escrevo esse texto do escritório que fica no andar superior da casa onde estão as mulheres e as crianças (os homens dormem no salão da igreja, no prédio ao lado). Escuto o som de mulheres conversando. Algumas crianças choram. Elas falam pouco inglês, francês ou português, se comunicam mais em Lingala e Suahili. Conversei com algumas delas, todas muito simpáticas. Têm esperança de reaver algumas das coisas que ficaram para trás. Às vezes, choram.
Orem por nós. Em meio à dor, estamos felizes porque sabemos exatamente porque Deus nos quer aqui.

15.5.08

O Inverno está Chegando!

Sim, meus queridos, é isso mesmo: começaram as chuvas de Maio que anunciam o inverno em Cape Town – muito frio, muito vento e muita água! Previsão do tempo: chuvas até Setembro! Com isso, nossas caminhadas diárias para a escola, aulas de inglês e programação na igreja agora têm um quê a mais de aventura, visto que é quase impossível não chegarmos molhadas... Mas, como dizem os Capetonianos, “isso é apenas o começo ...”. Da nossa parte, continuamos animadíssimas, prontas para o que der e vier! Orem para que nossa saúde seja preservada, mesmo em situações climáticas adversas.

Laura tem ido muito bem na escola, para nossa alegria. Já fez muitos amigos e se comunica bem em inglês. O desafio maior é produzir textos. Laura tem se esforçado bastante, faz com capricho todas as tarefas e desenvolveu gosto pela leitura. Enfim... minha menina está se adaptando bem demais, graças a Deus Pai. Louvem a Deus por essa grande vitória!

Além das aulas de inglês, tenho participado de vários estudos bíblicos em diferentes igrejas: terças pela manhã me reúno com um grupo de mulheres na Igreja St James (foto), e à noite faço o Alpha Course na Igreja Anglicana de St John – uma série de palestras interessantíssimas que apresentam as doutrinas básicas da fé cristã. Quartas à noite participo de uma reunião nos lares da Igreja Presbiteriana de Kenilworth – onde Laura e eu congregamos – quintas tenho ensaio do grupo de louvor e sextas nos reunimos com algumas famílias da igreja para estudarmos os livros de Reis. Sábado temos atividades e culto em português com os jovens refugiados, e domingo os cultos em inglês. Ufa! rsrsrsrsrsrs Louvem a Deus pelas oportunidades que temos de congregar com Seu povo, aprender mais da Sua Palavra e desenvolvermos a comunicação na língua inglesa.

Sempre que possível, Laura e eu visitamos um orfanato que abriga crianças e adolescentes na favela de Nyanga. Grande parte da população carente da região fala Xhosa – principalmente as crianças, o que tem me motivado a procurar aprender esse idioma. Peçam a Deus por mais disposição e ânimo para mais essa empreitada.

Outra boa notícia: traduzi minha Carteira de Motorista, o que me autoriza a dirigir na África do Sul! Agora só falta ter algumas aulas de Auto-Escola para entender como é que eles conseguem andar “do lado contrário”... rsrsrsrs A direção é na direita e o câmbio na esquerda! Peçam por entendimento e paciência – minha e dos outros! rsrsrsrs – para vencermos mais esse desafio.

E por último, mas não menos importante: o projeto C-Step lançou uma campanha para comprarmos um carro utilitário (8 lugares) que será usado em visitas a comunidades carentes, transporte dos refugiados e viagens missionárias. Leia o projeto com detalhes (texto a seguir) e divulgue na sua igreja e entre amigos – toda colaboração é bem-vinda.

Diz a sabedoria popular que “Quem quer chegar rápido vai sozinho; quem quer ir longe, segue acompanhado”. Nossa missão não seria possível sem a sua preciosa participação. Obrigada por continuarem conosco nessa jornada, e que Deus nos abençoe!

Transporte em Cape Town

ALVO: Adquirir um carro utilitário para atender às necessidades de locomoção dos participantes do projeto C-STEP.

Motivação:

  • Cape Town é uma grande cidade que abrange diversas cidades satélites – cerca de 4,5 milhões de habitantes - geograficamente bastante espalhada (um raio de aproximadamente 70km). O sistema de transporte público é deficitário e, não raras vezes, inseguro (poucas linhas de trem, poucos ônibus urbanos, nenhum táxi nos subúrbios).
  • Refugiados que participam das reuniões precisam consantemente de apoio com transporte para retornarem aos seus alojamentos - há transporte público somente em certas horas do dia, sobretudo nos finais de semana.
  • O projeto conta apenas com o carro particular do Pr. Gessé Rios (4 lugares + motorista), imprescindível para o uso da sua própria família.
  • Um carro utilitário facilitará o transporte de missionários e visitantes ao aeroporto, e também na sua locomoção em situações especiais.
  • Por fim, é imprescindível no trabalho do dia-a-dia do projeto para atender comunidades distantes - favelas, orfanatos, casas de apoio, etc – e para viagens missionárias de curto período.

Especificações:

  • Veículo utilitário de 11 lugares
  • Ano 2000 (ou mais novo)
  • Investimento: U$D 15.000 (100 quotas de U$D 150)

CONTRIBUIÇÕES:

Banco Bradesco

Agência: 119-8 (Cambucí) - C/C: 107965-4

Banco do Brasil

Agência: 0635-1 (Cambuci) - C/C: 7500-0

Transferência online

CNJP: 04.138.895/0001-86

MUITO IMPORTANTE: Ao contribuir para esse projeto solicitamos o favor de entrar em contato com a APMT (011) 3207-2139, e-mail apmt@apmt.org.br, skype: APMTIPB, ou MSN apmtipb@hotmail.com informando data, valor e origem.

Administrador do Projeto: Rev. Gessé Almeida Rios

1 Coríntios 2:9

"O que ninguém nunca viu nem ouviu, e o que jamais alguém pensou que podia acontecer, foi isso o que Deus preparou para aqueles que o amam..."

What eye did not see, and ear did not hear, and upon the heart of man came not up, what God did prepare for those loving Him...