26.5.08

Intolerância

Alguns chegaram só com a roupa do corpo, outros conseguiram colocar em sacos e malas uns poucos pertences. Todos têm medo. Foram trazidos pela polícia para ficarem abrigados nas dependências da igreja enquanto continuarem as ameaças e os ataques contra estrangeiros nas favelas de Cape Town. A baderna é promovida por uma massa de descontentes com o desemprego, a extrema pobreza, a desesperança, o excesso de promessas e a falta de medidas concretas do governo em favor dos negros sul-africanos. Eles invadem casas e pequenos negócios tocados por estrangeiros, roubam o que podem e põem fogo no que resta. A polícia não consegue conter o tumulto, então os imigrantes estão sendo trazidos para igrejas e prédios do governo, onde têm certa segurança.
Sábado(24) à tarde recebemos cerca de 45 pessoas, entre elas umas 15 crianças. Todos muito cansados, assustados e tristes – os tumultos começaram no final da tarde de sexta-feira, eles passaram a noite toda sem conseguir dormir. Por quê? Porque alguns nacionais acreditam que os estrangeiros tiram suas oportunidades de moradia e emprego – o que é verdade e torna o problema de difícil solução.
Assim que chegaram, oferecemos café, leite, chá, pão, margarina. Laura levou as crianças para brincarem no gramado, passou horas correndo e jogando entre eles. Fiquei na cozinha esquentando água, lavando a louça, providenciando algumas coisas para o lanche. Fiz até uma grande panela de arroz! Uma família da igreja doou dois grandes potes de sopa, foi a primeira refeição de muitos depois de quase um dia inteiro sem comer nada. Ontem (domingo) alguns adultos e crianças participaram do culto com toda a igreja. Sim, alguns estiveram lá para clamar a Deus por justiça e esperança para dias melhores.
Hoje escrevo esse texto do escritório que fica no andar superior da casa onde estão as mulheres e as crianças (os homens dormem no salão da igreja, no prédio ao lado). Escuto o som de mulheres conversando. Algumas crianças choram. Elas falam pouco inglês, francês ou português, se comunicam mais em Lingala e Suahili. Conversei com algumas delas, todas muito simpáticas. Têm esperança de reaver algumas das coisas que ficaram para trás. Às vezes, choram.
Orem por nós. Em meio à dor, estamos felizes porque sabemos exatamente porque Deus nos quer aqui.

3 comentários:

Beatriz disse...

Tia Sil e Lau, estmos com muita saudades, as vezes paro e vejo.. como o tempo passa rápido... Jah fazem 5 meses que vocês foram ebora e eu ainda estou sobrevivendo a tudo isso !! Mas quando li o que vc escreveu no Blog hoje realmente vi.. a minha sobrevivência perto deles é ridicula!!! Por tanto lembrei de uma coisa que o meu professor de religião disse ( até que enfim alguma coisa util) devemos arqdecer por tudo... até por aquilo que pode nos deixar muuuuuito triste, afinal... Deus sabe o que esta fazendo neh.. Bom.. beijocas para vc's !!

Marcos Aparecido disse...

Silvinha, minha linda, estou arrepiado. Jamais poderia imaginar que você estivesse, junto com sua filha linda, do outro lado do Atlântico. É engraçado, pois hoje é um dia um tanto quanto triste para mim. Esta madrugada, mais precisamente às 4 horas, faleceu meu tio e padrinho (ele é irmão da minha mãe), de forma que a tristeza resolveu fazer morada momentânea no meu coração. Veja você como são as coisas: logo cedo recebo uma notícia triste e, depois, meio que como compensação de Deus, recebo notícias suas. Apesar da tristeza, fiquei feliz em receber notícias suas e, sobretudo, saber que você e sua filha estão bem. Adicionei seu blog à minha lista de favoritos, de modo a sempre ter notícias suas atualizadas...Beijos carinhosos e cheios de saudades.

JOSEANE disse...

SÓ DEUS É CAPAZ DE ABENÇOAR VCS,QUE ELE RECOMPENSE A CADA UM.

1 Coríntios 2:9

"O que ninguém nunca viu nem ouviu, e o que jamais alguém pensou que podia acontecer, foi isso o que Deus preparou para aqueles que o amam..."

What eye did not see, and ear did not hear, and upon the heart of man came not up, what God did prepare for those loving Him...